Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular

Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular
Use o Leitor QR Code do seu celular para abrir o link do blog no seu aparelho celular móvel

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Último Bochincho - Jayme Caetano Braun (música)

A de oito baixos roncava e o candeeiro estremecia
Nem o tinhoso sabia do beleléu que se armava
A cordeona resmungava e parou de sopetão
Quando levei um carão da china que eu negaciava

Levantou cinza com poeira quando cortei a cordeona
Bem pelo meio a chorona no correr da carneadeira
Parou de repente a zoeira e ficou só o ar fumacento
E o meu arrependimento pra durar a vida inteira

Cortar uma gaita em duas só por capricho! Um pecado!
O velho órgão sagrado das nossas missas charruas
Quantas pragas de chiruas com desaforos malucos
E relampear de trabucos, tinir de adagas e puas

Pra descrever o brinquedo, isso não é bem assim
No bárbaro retintim onde não vale segredo
Ali o índio que tem medo nem que não queira se entangüe
Sentindo cheiro de sangue e o choro do chinaredo

Pra quem não viu ficou vendo o resultado do talho
Como quem corta um baralho num jogo que está perdendo
Foi como um chiado fervendo num olheiro de formiga
Quem não tem nada com a briga peleia se defendendo

Senti na testa um chispaço que pegou de refilão
Um estouro de facão quase me troncheia um braço
Mas alarguei meu espaço de costas contra a parede
Um pardo veio com sede "lo desguampei de um planaço"

Num medonho solavando perdeu pé a bugra Raimunda
Larguei um pardo cacunda e outro meio lonanco
O gaiteiro atrás de um banco benzido a moda gaúcha
Contra bala de garrucha e folha de ferro branco

Depois de tudo acabado isso foi lá pelas tantas
Lombos cortados, gargantas e bugre descaderado
Sangue fresco misturado com gordura de candeeiro
Mas saiu limpo o gaiteiro, o tocador é sagrado

Quando veio o comissário pra resolver os assuntos
Pra encomendar os defuntos veio também o vigário
Ainda hoje o vizindário quando lembra se arrepia
Nunca mais desde esse dia festejei aniversário

E a china? Não sei da china, pra onde foi nem de onde veio
Lambe sal nalgum rodeio da pampa continentina
Cortando talvez a crina nas minguantes de setembro
Por castigo ainda me lembro daquela maula brasina!

Rádios Web

Rádios Web
Clique no rádio para conferir as rádios web gaúchas

Pesquise no blog

Tradicionalista amigo!

Mande seu comentário, crítica, elogio ou sugestão para o e-mail: tradicionalismosemfronteiras@yahoo.com.br. Leia ou peça letras de música, vídeos, poesias, lendas e histórias.

Traduza o Blog Tradicionalismo Sem Fronteiras para línguas além fronteiras

SIGA-NOS PELO E-MAIL

Visualizações de página desde Junho de 2010