Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular

Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular
Use o Leitor QR Code do seu celular para abrir o link do blog no seu aparelho celular móvel

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Roçando as "Viria" - César Oliveira e Rogério Melo (música)



Vi que a escramuça era um bate coxa
Da indiada froxa nu tranco de vaca
Entrei de espora e chapéu requintado
E o mango colgado no cabo da faca

Cai na dança com a tita beiçuda
Índia graúda duns trezentos quilo
E a doralicia que pedia apojo
Se tapou de nojo quando viu aquilo

Quase me prancho na volta da sala
Pisei no pala e me enredei na faixa
Senti que a titã naquele embaraço
Arrancou um pedaço do cós da bombacha

Mas na rancheira quando eu desembesto
Eu deixo o resto que se leve a breca
Naquele embalo trocamo de ponta
E quando me dei conta tava só de cueca

A oito soco gemia e roncava
Se chamarreava na rancheira potra
Saltava fogo e um clarão se abria
Quando eu tinia uma espora na outra

Mas de repente tropiquei de fato
Assim relato o fato asucedido
Foi sem querer mais ninguém acredita
Me firmei na titã e rasguei o vestido

Num golpe seco dei-lhe um rasgão farto
Bem sobre os quarto numa volta feia
E ali por causa daquele acidente
Já tinha gente querendo peleia

Mas na rancheira tudo se acomoda
Pelado é moda e o resto é bobage
Varemo a noite roçando as viria
E até parecia caso do bocage

Rádios Web

Rádios Web
Clique no rádio para conferir as rádios web gaúchas

Pesquise no blog

Tradicionalista amigo!

Mande seu comentário, crítica, elogio ou sugestão para o e-mail: tradicionalismosemfronteiras@yahoo.com.br. Leia ou peça letras de música, vídeos, poesias, lendas e histórias.

Traduza o Blog Tradicionalismo Sem Fronteiras para línguas além fronteiras

SIGA-NOS PELO E-MAIL

Visualizações de página desde Junho de 2010