Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular

Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular
Use o Leitor QR Code do seu celular para abrir o link do blog no seu aparelho celular móvel

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

De Tempo em Tempo - Victor Hugo (Música)

De tempo em tempo quando cevo o amargo das ilusões
Dou folga aos tentos desencilhando minhas próprias emoções
Desde piazito me criei tramando cercas
Fui moirão, arame, fui alambrado

Naquele tempo gado xucro pastava livre sem marcação
Estradas largas, trilhos nos campos sem nenhuma divisão
Veio a ganância traçar novos caminhos
Campo invernada, corredor escravidão

(espia só, espia só
O resultado foi campo em pó) bis

De tempo em tempo tento esquecer do alambrado profissão
Do tempo ao tempo embriagado na cuia funda de um chimarão
Rincões abertos são lembranças da saudade
Prisões de arame são heranças da realidade

(refrão)

Rádios Web

Rádios Web
Clique no rádio para conferir as rádios web gaúchas

Pesquise no blog

Tradicionalista amigo!

Mande seu comentário, crítica, elogio ou sugestão para o e-mail: tradicionalismosemfronteiras@yahoo.com.br. Leia ou peça letras de música, vídeos, poesias, lendas e histórias.

Traduza o Blog Tradicionalismo Sem Fronteiras para línguas além fronteiras

SIGA-NOS PELO E-MAIL

Visualizações de página desde Junho de 2010