Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular

Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular
Use o Leitor QR Code do seu celular para abrir o link do blog no seu aparelho celular móvel

segunda-feira, 7 de março de 2011

Interior - Gujo Teixeira e Luiz Marenco (Música)



Parece que nem faz tempo, pois aperta o peito
Aqui no meu interior, onde esta dor não calma
Que foi embora num gateado, rumando a estrada
Deixando, pra trás meu rancho, de morada e alma.

As sombras do interior são bem mais copadas
São mansas e abrigam almas de velhos amigos
Que a gente num destino incerto de se encontrar
Se perde, procurando sombras, pra um novo abrigo.

As casas, cedo ainda largam fumaças brancas
Saudosas, por verem os seus partirem assim
Que eu, sem saber da vida e perseguindo ela
Deixei nesse interior, um pouco mais de mim...

Os mates, tinham mais gosto de erva e poejo
Colhidos beirando a sangua de águas rasas
Onde deixei meus sonhos n´outra enchente partirem
Como se vai um filho "das casas".

Eu tenho pela memória, que ainda não falha
Meu tempo de ser guri e uma despedida
De cedo inventar saudades, que não conhecia,
Que hoje me fazem entender o que era vida.

Faz tempo amansei meus sonhos nesta cidade
Aqueles que viveram livres, bem iguais aos potros
Que lembro e me aperta o peito, junto ao coraçao
Onde um interior, tá com saudade de outro.

Rádios Web

Rádios Web
Clique no rádio para conferir as rádios web gaúchas

Pesquise no blog

Tradicionalista amigo!

Mande seu comentário, crítica, elogio ou sugestão para o e-mail: tradicionalismosemfronteiras@yahoo.com.br. Leia ou peça letras de música, vídeos, poesias, lendas e histórias.

Traduza o Blog Tradicionalismo Sem Fronteiras para línguas além fronteiras

SIGA-NOS PELO E-MAIL

Visualizações de página desde Junho de 2010