Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular

Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular
Use o Leitor QR Code do seu celular para abrir o link do blog no seu aparelho celular móvel

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Cavalinho de Pau - César Oliveira (Música)


Meu cavalinho de pau

Crioulo da fantasia

Tinha a cola que não crescia

E a boca sem comer pasto

Tinha o lombo meio cião

E o pescoço de gavião

E uma rachadura no casco.

Tinha raça de taquara

Cruzada com carafau

Delgado como um virau

E um pêlo bem pangaré

Parente da cobra verde

Com seu galope de rente

Ia escrevendo com o pé.

Brincando de faz de conta

Lhe ensinei a velhacar

Dar coices e escaramuçar

Com jeito de um redomão

Só nunca pude frustrá-lo

Sofre nado meu cavalo

Fincava a cola no chão.

Com a cola dele pra o céu

Apontava estrela guia

Um olho na pontaria

Mirava pro pica-paus

Pauleava as caranguejeiras

E as gatas namoradeiras

Que me aturdiam aos miaus.

Batia os galhos das árvores

Derrubava frutas no chão

No ombro foi mosquetão

Espada para o meu cinto

No seu galope macio

Nas longas tardes de frio

Tropeei ninhadas de pinto.

Corre carreiras de a pé

Meti fundura de poço

Fiz raias pra jogar osso

E guiada dos bois a pipa

Fiz flechas pros meus caminhos

Furei o fundo dos guinhos

E o bando das caturritas.

Um dia jogando talho

Outro piá espadachim

Aulada não foi pra mim

E as brincas, perdi o jogo

Quebrou-se o meu cavalinho

No outro dia bem cedinho

Virou gravetos pro fogo.


Rádios Web

Rádios Web
Clique no rádio para conferir as rádios web gaúchas

Pesquise no blog

Tradicionalista amigo!

Mande seu comentário, crítica, elogio ou sugestão para o e-mail: tradicionalismosemfronteiras@yahoo.com.br. Leia ou peça letras de música, vídeos, poesias, lendas e histórias.

Traduza o Blog Tradicionalismo Sem Fronteiras para línguas além fronteiras

SIGA-NOS PELO E-MAIL

Visualizações de página desde Junho de 2010