Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular

Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular
Use o Leitor QR Code do seu celular para abrir o link do blog no seu aparelho celular móvel

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Na Hora do Amargo - César Oliveira (Música)


Ah! Por que este rancho anda tão triste?

E esta vidinha vai tão atoa!

Só mesmo o pensamento ganha asas

E pra lá do horizonte a gente voa.

É na hora do amargo que o olhar se perde

Que se pastoreia antigos momentos

Onde a alma se veste de recordações

E serve de abrigo pra os sentimentos.

Um quero-quero quebra o silêncio

Anunciando quem nunca vai vir

E o coração despara batendo cascos

Me mostra a estrada querendo partir...

A três pêlos me olha com espanto

Que até parece estar com pena de mim

não sabe ela que a solidão machuca

E estas horas se tornam sem fim.

Pra quem sempre teve vida estradeira

Hoje só anda pelas trilhas do passado

Quando "jerveia" nestes fins de tarde

Com as lembranças a matear no seu costado.

Ah! Por que este rancho anda tão triste?

E essa vidinha da gente tão pequena

Eu só sei que é grande a saudade

A saudade que eu sinto da morena.


Rádios Web

Rádios Web
Clique no rádio para conferir as rádios web gaúchas

Pesquise no blog

Tradicionalista amigo!

Mande seu comentário, crítica, elogio ou sugestão para o e-mail: tradicionalismosemfronteiras@yahoo.com.br. Leia ou peça letras de música, vídeos, poesias, lendas e histórias.

Traduza o Blog Tradicionalismo Sem Fronteiras para línguas além fronteiras

SIGA-NOS PELO E-MAIL

Visualizações de página desde Junho de 2010