Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular

Tradicionalismo Sem Fronteiras no seu celular
Use o Leitor QR Code do seu celular para abrir o link do blog no seu aparelho celular móvel

terça-feira, 24 de julho de 2018

O Forasteiro - Luiz Marenco, Luiz Carlos Borges, Vinicius Brum e Marco Aurélio Vasconcellos (Música)




MÚSICA CAMPEÃ DA 27ª CALIFÓRNIA DA CANÇÃO NATIVA DO RIO GRANDE DO SUL - 1997

Na sombra de um bolicho a beira estrada
Daqueles que do mundo se perdeu
Encontra-se uma gente reunida
A espera de um chamado de seu Deus
Perfumes de bom fumo amarelido
Paredes com suas almas penduradas
Paciências de um lugar envelhecido
E uma coragem de quem não tem nada

Apeia um forasteiro:
O que é da vida?
Responde o bolicheiro:
Está cansada
A gente de bombacha anda esquecida
Desiludida nos beirões da estrada
Buscamos nossa terra prometida
Um mundo pras crianças e pros velhos
Um sul que nós sonhamos onde a vida
Devolva o que branqueou nossos cabelos

Mas cada ano a seca de janeiro
Precede um novo inverno de asperezas
Parece que o destino do campeiro
Não pode pedir mais que pão na mesa
E aos poucos o que disse o bolicheiro
Se multiplica em vozes pelo ar
E volta a se calar o forasteiro
Junta o violão no peito pra cantar

Já vi quase de tudo em minha vida
Há séculos que ando pela estrada
Vi morte sobre a terra prometida
E a vida sobre a terra abandonada
Vi um homem pondo fogo na colheita
Enquanto outro semeava no deserto
Já vi perto o que ontem era um sonho
E longe vi o que sempre fora certo

Um povo sonha Deus a sua imagem
E Deus devolve a terra a cada povo
Moldada no trabalho e na coragem
Que o povo usou pra levantar o sonho
Aqui é nosso inferno e paraíso
A vida é uma planta por cuidar
A que morrer por ela se preciso
O sul, somente o sul, pode salvar

Assim falou pro povo o forasteiro
Depois montou envolto num clarão
Sumiu emoldurado pela tarde
Bem como o Sol dissipa a cerração
Uns dizem que mais alto que os cerros
Ele segue abençoando esse rincão
Mas muitos acreditam que essa gente
Ouviu a voz do próprio coração

O certo é que um a um se foi as casas
Porque havia uma planta por cuidar
Arar a terra a cada madrugada
Para a semente que há de germinar
O homem faz seu Deus que faz o sonho
Um sonho azul maior que este lugar
Na luz que vem dos olhos dessa gente
O sul um dia se iluminará

Rádios Web

Rádios Web
Clique no rádio para conferir as rádios web gaúchas

Pesquise no blog

Tradicionalista amigo!

Mande seu comentário, crítica, elogio ou sugestão para o e-mail: tradicionalismosemfronteiras@yahoo.com.br. Leia ou peça letras de música, vídeos, poesias, lendas e histórias.

Traduza o Blog Tradicionalismo Sem Fronteiras para línguas além fronteiras

SIGA-NOS PELO E-MAIL

Visualizações de página desde Junho de 2010